GASTRITE? Entenda o Resultado da sua Endoscopia Digestiva Alta Pular para o conteúdo principal

GASTRITE? Entenda o Resultado da sua Endoscopia Digestiva Alta


Você já fez uma endoscopia digestiva alta e não conseguiu entender o resultado do seu exame? Isso acontece porque são utilizados termos técnicos de difícil compreensão para descrever o seu diagnóstico.

[VÍDEO PRINCIPAL]

Infelizmente, em alguns casos, mesmo após apresentar o seu exame para o médico, ele não lhe explica detalhadamente o que são aqueles termos, apenas fala de forma resumida indica o tratamento que você deve fazer. Por isso é completamente normal que mesmo fazer exames e consultas o paciente esteja confuso sobre o seu diagnóstico.

Pensando nisso, eu resolvi escrever este artigo para esclarecer o que são aqueles termos usados no resultado do seu exame de endoscopia digestiva alta num caso em que foi detectada gastrite no resultado.

Para elaborar a descrição do diagnóstico de gastrite é utilizado atualmente o Sistema Sydney atualizado, que utiliza a seguinte nomenclatura conforme a tabela abaixo.


SOBRE O SISTEMA SYDNEY

Foi apresentado em 1990, no Congresso Mundial de Gastroenterologia em Sydney, Austrália.

Considera etiologia (causa), topografia (localização) e morfologia (formato) da gastrite.

Foi atualizado em 1994, em Houston, Estados Unidos.

Permite identificar diferentes tipos de gastrite como as gastrites não associadas ao H. pylori ( induzida quimicamente / gastrite ‘ex’-H pylori / gastrite por Helicobacter heilmannii / gastrite autoimune / gastrite associada à doença de Crohn / gastrite granulomatosa )

ENTENDA O SEU RESULTADO

Para entender o resultado do seu exame é preciso que você entenda cada um dos termos utilizados na elaboração do seu diagnóstico, vamos então explica-los para você.



TOPOGRAFIA

Para compreender melhor os termos utilizados vamos aprender um pouco sobre a anatomia do estômago. O importante aqui é você entender que o estômago é dividido em 3 partes principais, o Fundo, na parte superior (em verde), o Corpo na parte centra (rosa), e o Antro na parte inferior (em amarelo).


Segundo o Sistema Sydney, conforme a topografia, temos:

pangastrite – quando a gastrite está presente em todo o estômago;

gastrite do antro; e

gastrite do corpo.

CATEGORIA

Existem 7 categorias, vamos explicá-las abaixo:

Enantematosa – quando há existência de erupções vermelhas na mucosa do estômago. Para ser classificada como enantematosa basta haver vermelhidão nas regiões onde há gastrite.

Erosiva – erosões são feridas na mucosa gástrica. Elas podem ser planas ou elevadas. A gastrite erosiva é um estágio anterior à formação de úlceras gástricas.

Atrófica - gastrite atrófica é uma doença caracterizada pela inflamação crônica da mucosa do estômago em que ocorre a perda das células que formam as glândulas produtoras do suco gástrico. Estas células são substituídas por outros tipos de células parecidas com as células do intestino.

[VÍDEO GASTRITE ATRÓFICA]

Hemorrágica - quando ocorre sangramento do estômago. Normalmente está associada com erosões.

Gastrite de Refluxo – também conhecida como gastrite alcalina de refluxo ou gastrite de refluxo biliar. É definida como uma lesão crônica da mucosa gástrica, produzida pelo refluxo do conteúdo duodenal para o estômago. Mais frequente em pacientes que fizeram cirurgias de redução do estômago.

Pregas mucosas hiperplásicas – a gastrite hiperplásica ocorre quando há um aumento significativo do número de células em alguma camada da mucosa do estômago.  Caracterizam-se por um aumento na largura e altura das pregas gástricas. Normalmente associada a: doença de Ménétrier (gastrite hipertrófica gigante) ou síndrome de Zollinger-Ellison.




GASTRITE X REFLUXO

Apesar de em grande parte dos casos elas surgirem em conjunto, é preciso diferenciar uma da outra. O refluxo gastresofágico ocorre quando o conteúdo do estômago sobe para o esôfago e provoca sintomas como: azia, arrotos, pigarro, dor no peito e regurgitação. Veja na imagem abaixo.



Segundo a Federação Brasileira de Gastroenterologia: 
Gastrite é uma condição na qual o revestimento do estômago – conhecido como mucosa – está inflamado. 

A gastrite não apresenta sintomas específicos, algumas pessoas podem sentir dor ou desconforto no abdômen superior, mas muitos pacientes não têm quaisquer sintomas.



GASTRITE X PRODUÇÃO DE ÁCIDO NO ESTÔMAGO

Uma das principais causas do refluxo gastresofágico é a baixa produção de ácido no estômago, como eu já expliquei em outros artigos e vídeos. Mas e a gastrite? Existe alguma relação?

Veja o que diz a Federação Brasileira de Gastroenterologia sobre o assunto:

A mucosa do estômago contém células especiais que produzem o ácido e enzimas, que ajudam a quebrar o alimento para a digestão, e muco, que protege o revestimento do estômago de ácido. Quando o estômago está inflamado, produz menos ácido, enzimas e muco.

Isso não é nenhuma surpresa, na verdade, fica ainda mais fácil de entender porque a gastrite normalmente aparece juntamente com o refluxo. A gastrite diminui a produção de ácido no estômago que acaba contribuindo para o surgimento do refluxo gastresofágico.

TRATAMENTO NATURAL DA GASTRITE

Para tratar a gastrite de forma natural o ideal é usar estratégias que vão ajudar o organismo de duas formas:

Ação gastroprotetora – substâncias que vão auxiliar na proteção da mucosa gástrica evitando novas lesões.

Ação regeneradora – substâncias que vão ajudar na cicatrização e na reconstituição das células da mucosa gástrica.

Veja o vídeo a seguir com algumas dicas para ajudar você a eliminar a gastrite.

[VÍDEO 8 ESTRATÉGIAS NATURAIS CONTRA GASTRITE]


AULA GRÁTIS: COMO SE LIVRAR DO REFLUXO EM 28 DIAS DE FORMA 100% NATURAL!

Participe da nossa aula on-line grátis em que eu vou explicar para você outras estratégias para eliminar a gastrite e o refluxo de forma 100% natural.


http://bit.ly/b2AulaAdeusRefluxo

DEIXE SUAS DÚVIDAS OU COMENTÁRIOS ABAIXO

Escreva abaixo as suas dúvidas ou comentários que responderei assim que possível. Você pode ainda entrar em contato pelo e-mail: suporte@adeusazia.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Azia e Refluxo? Saiba tudo sobre betaína HCl (Cloridrato de betaína)

Você já ouviu da betaína HCl? Ela também pode ser chamada de betaína cloridrato, cloridrato de betaína ou hidrocloreto de betaína.
Ela é considerada um suplemento alimentar. Ela tem um papel muito importante para sua digestão, funcionando como um reforço do seu suco gástrico. Se você sofre de azia ou refluxo a betaína cloridrato, em muitos casos, pode ajudá-lo a eliminar a causa do seu problema de forma natural.
Deixe eu te contar rapidamente como descobri a betaína HCl (cloridrato de betaína)
Antigamente, quando eu sofria com azia e refluxo eu logo procurava meu médico que me recomendava medicamentos para reduzir a acidez do estômago como omeprazol. Eu começava a usar o medicamento e sentia um grande alívio. Isto me fazia pensar que o problema era realmente excesso de ácido no estômago.
Mas passado um tempo do tratamento eu comecei a perceber que na verdade o refluxo continuava, só não estava mais me provocando azia. Além disso, com o uso prologado dos "prazóis" comecei a senti…

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA CURA DA AZIA, GASTRITE E REFLUXO

O uso de probióticos pode auxiliar no tratamento de gastrite, azia e refluxo. Neste artigo é feita uma análise detalhada dos benefícios cientificamente comprovados do uso dos probióticos.

Aloe vera no Tratamento de Úlceras, Gastrite e Refluxo

Pesquisa científica feita com 18 pacientes, 12 com úlceras e 6 com problemas relacionados, testou o uso da Aloe Vera (também conhecida como Babosa) sozinha, como forma de tratamento.
Os resultados foram impressionantes!



Dos 12 pacientes com úlceras, 100% tiveram cura clínica, e 11 deles não tiveram recidiva.
Dos 6 pacientes com problemas relacionados 5 tiveram recuperação total e uma desistiu do tratamento.
O tratamento consistiu em...