COMO MEDICAMENTOS PARA BLOQUEAR O ÁCIDO NO ESTÔMAGO PODEM PROVOCAR ALERGIAS ALIMENTARES Pular para o conteúdo principal

COMO MEDICAMENTOS PARA BLOQUEAR O ÁCIDO NO ESTÔMAGO PODEM PROVOCAR ALERGIAS ALIMENTARES

Atenção! Se você não digerir corretamente a sua comida, seu sistema imunológico pode atacá-la.

Uma pessoa saudável, produz um poderoso ácido em seu estômago, o HCl (ácido clorídrico). Ele é fundamental para nos ajudar a digerir nossa comida, quebrando o alimento em pedaços menores para que possamos absorver os nutrientes. Mas o que acontece quando nós estamos com a produção de ácido no estômago reduzida? Nós não conseguimos digerir os alimentos corretamente. Isto pode provocar sintomas como: indigestão, deficiência de nutrientes e infecções intestinais. Ou, pior ainda, o seu sistema imunológico pode atacar os “pedaços” de alimentos mal digeridos provocando alergias alimentares.

Nos dias de hoje problemas digestivos são algo muito comum; quatro entre dez pessoas estão sofrendo da Doença do Refluxo Gastroesofágico ou Dispepsia (gases, azia, náusea, inchaço ou desconforto abdominal). Infelizmente, a maioria das pessoas, para aliviar estes sintomas, acaba tomando medicamentos para inibir a produção de ácido no estômago, que podem provocar sensibilidades e alergias alimentares e até mesmo evoluir para doenças auto imunes.

Se você for a um médico e se queixar de DGRE ou dispepsia, é bem provável que você saíra do consultório com uma receita de um Inibidor de Bomba de Prótons (IBP), os famosos “prazóis”. Nos Estados Unidos, de julho de 2013 a junho de 2014 foram feitas 18,6 milhões de prescrições mensais do Nexium (princípio ativo Esomeprazol). Ele foi o terceiro medicamento mais vendido no país naquele período. Aqui no Brasil não é muito diferente e é bem provável que você já tenha feito uso deste medicamento ou conheça alguém que esteja usando.

Para você ter ideia de como este medicamento funciona, pesquisas indicam que uma pessoa saudável deve ter o pH do estômago entre 1,5 e 2. Isto é tão forte quanto o ácido de bateria de carro. Após 5 dias utilizando “prazóis” o pH do estômago vai subir para 5 o que é equivalente a um vinagre de mesa. Ou seja, a acidez do estômago é drasticamente reduzida!



No entanto, o seu estômago produz ácido por uma razão. Seu corpo gasta uma grande quantidade de energia para manter a acidez do estômago até 3 milhões de vezes maior do que a acidez do seu sangue. Este poderoso ácido do estômago nos permite quebrar os nutrientes da nossa comida em partículas menores. Uma das etapas mais importantes do processo de digestão. Quando o alimento é quebrado em partículas menores no estômago, nosso intestino delgado consegue então terminar de digerir e absorver os nutrientes. Além disso, bactérias e fungos do alimento são destruídos pelo ácido gástrico evitando infecções intestinais e o sistema imunológico não vai reagir a este alimento que foi digerido corretamente.

A Ciência está demonstrando que os medicamentos para inibir a produção de ácido no estômago aumentam o risco de desenvolver alergias alimentares.

Vários estudos e avisos do FDA* já destacam que podem ocorrer deficiências de nutrientes como: vitamina B12, ferro, vitamina C, cálcio e magnésio em pessoas que estão utilizando medicamentos para reduzir a acidez do estômago por longos períodos. E alguns novos estudos estão apresentando outro efeito colateral de não digerir corretamente sua comida: o desenvolvimento de alergias alimentares.

*FDA é o órgão governamental dos Estados Unidos da América responsável pelo controle dos alimentos, suplementos alimentares, medicamentos, cosméticos, equipamentos médicos, materiais biológicos e produtos derivados do sangue humano.

Qual a Relação entre Alergias Alimentares e Baixa Produção de Ácido no Estômago?

Cerca de 70% das células do sistema imunológico estão no nosso trato intestinal. Estas células tem a missão de vasculhar o conteúdo do intestino procurando por possíveis invasores como bactérias e vírus nocivos. Estas células reconhecem um invasor identificando certas sequências de aminoácidos nas proteínas presentes no intestino. Da mesma maneira que nós reconhecemos as pessoas pelo rosto, as células de defesa do organismo reconhecem organismos pela sua sequência de aminoácidos em suas proteínas. Quando é identificada uma sequência de aminoácidos que se pareça com bactérias, vírus, fungos ou parasitas, as células de defesa vão enviar um ataque de anticorpos contra os invasores.

Quando as proteínas de nossa comida são digeridas corretamente, elas são quebras em pequenos fragmentos, que contém de 1 a 3 aminoácidos. Estes fragmentos são muito pequenas para que as células de defesa do corpo os confundam com organismos invasores nocivos, portanto estes pequenos fragmentos não provocam nenhuma resposta do nosso sistema imunológico. No entanto, quando a produção de ácido no estômago é baixa, as proteínas não são digeridas corretamente e não são quebradas em pequenos fragmentos. Isto faz com que a proteína seja quebrada em pedaços maiores cujo formato pode ser confundido com um invasor e pode provocar uma reação imunológica.


A Médica Doutora PhD Eva Untersmayr-Elsenhuber, imunologista internacionalmente reconhecida, trabalhou por muitos anos com alergologia molecular. Ela disse em um artigo de Avaliações Clínicas em Alergia e Imunologia Clínica: “Apesar de ser considerada uma forma de prazer para a maioria das pessoas, ingerir comida pode representar um perigo à saúde em situações de metabolismo alterado ou se as proteínas do alimento forem reconhecidas como perigo pelo sistema imunológico.”

Para testar sua teoria, Dra. Eva fez alguns experimentos com alimentos à base de peixe para ver qual a importância do ácido gástrico na diminuição da probabilidade de desenvolvimento de alergias alimentares. Ela verificou que proteínas do bacalhau perderam sua habilidade de se ligar ao anticorpo IgE durante um minuto de exposição ao ácido com pH abaixo de 2,5. Quando ela elevou um pouco o pH para 2,75 (menos ácido) o resultado mudou completamente. Apenas com esta pequena variação na acidez, as proteínas se tornaram 10.000 vezes mais fáceis de se ligar aos anticorpos IgE (o que significa que elas se tornaram alergênicas).

Uso de medicamentos para reduzir a produção de ácido aumenta a chance de alergias?

Em outra pesquisa, a dra. Eva comparou adultos antes e 3 meses depois de usar medicamentos para reduzir a produção de ácido no estômago. Os resultados demonstraram que houve um aumento de 10% nas alergias já existentes e 15% desenvolveram novas alergias a alimentos como: leite, batata, aipo, cenouras, maçã, laranja, trigo e farinha de centeio.

A conclusão foi de que os pacientes aumentaram 10,5 vezes as chances de desenvolver alergias alimentares quando eles utilizaram medicamentos para reduzir o ácido do estômago.

Risco de alergias alimentares é maior ainda em crianças e bebês

Um estudo de 2013 de Imunologia e Alergia Pediátrica examinou o que aconteceu com crianças variando a idade de 0 a 18 anos quando eles utilizaram medicamentos para reduzir a acidez do estômago por um ano.  Foram comparadas 4.724 crianças que não usavam medicação com outras 4.724 crianças que fizeram uso de medicamentos bloqueadores de ácido. A pesquisa revelou que houve um aumento de 367% de alergias alimentares no grupo que utilizou medicamento.

Tá bom eu já entendi que os medicamentos para bloquear o ácido no estômago me fazem mal! Mas então qual é a solução???

A solução é você procurar uma forma de tratamento que elimine as causas da gastrite e do refluxo de forma 100% natural, sem efeitos colaterais prejudiciais à sua saúde. 

Mas isso é possível?

Sim hoje isso é possível, pois existem diversas estratégias naturais com eficácia cientificamente comprovada que podem ajudar você a eliminar as causas da gastrite e do refluxo. No curso Método Adeus Azia, você aprende um método passo a passo que vai ensinar como você pode aplicar e combinar estas estratégias para acabar com as causas da gastrite e do refluxo e se livrar do problema definitivamente.

Conheça o Método Adeus Azia

O curso Método Adeus Azia está divido em duas partes, a parte 1 alimentação e a parte 2 que ensina o método de 28 dias. Com ele você vai aprender tudo o que você precisa para desfazer os mitos que são pregados por aí e começar a utilizar estratégias que funcionam de verdade para acabar de vez com a gastrite e o refluxo.

http://www.metodo.adeusazia.com.br


Este curso é totalmente online ou seja assim que você tiver a sua inscrição confirmada você terá acesso imediato ao conteúdo do curso e já poderá começar a utilizar as estratégias 100% naturais que estão mudando a vida das pessoas que sofrem com refluxo.

Se você se interessou pelo curso Método Adeus Azia, clique no botão abaixo para saber mais informações.

http://www.metodo.adeusazia.com.br/




FONTES:
  1.  Brooks M. Top 100 Most Prescribed, Top-Selling Drugs. Medscape Medical News. Aug 01, 2014.
  2. Prichard PJ, Yeomans ND, Mihaly GW, et al. Omeprazole: a study of its inhibition of gastric pH and oral pharmacokinetics after morning or evening dosage. Gastroenterology. 1985 Jan;88(1 Pt 1):64-9.
  3. Untersmayr E, Jensen-Jarolim E. The role of protein digestibility and antacids on food allergy outcomes. J Allergy Clin Immunol. 2008 Jun;121(6):1301-8; quiz 1309-10.
  4. Untersmayr E, Poulsen LK, Platzer MH, et al. The effects of gastric digestion on codfish allergenicity. J Allergy Clin Immunol. 2005 Feb;115(2):377-82.
  5. Untersmayr E, Bakos N, Schöll I, et al. Anti-ulcer drugs promote IgE formation toward dietary antigens in adult patients. FASEB J. 2005 Apr;19(6):656-8.
  6. Trikha A, Baillargeon JG, Kuo YF, et al. Development of food allergies in patients with gastroesophageal reflux disease treated with gastric acid suppressive medications. Pediatr Allergy Immunol. 2013 Sep;24(6):582-8.
  7. Heidelbaugh JJ. Proton pump inhibitors and risk of vitamin and mineral deficiency: evidence and clinical implications. Ther Adv Drug Saf. 2013 Jun;4(3):125-33.
  8. Katz, M. Failing the Acid Test; Benefits of Proton Pump Inhibitors May Not Justify the Risks for Many Users. Arch Intern Med. 2010;170(9):747-748.
  9. Heidelbaugh JJ, Goldberg KL, Inadomi JM. Overutilization of proton pump inhibitors: a review of cost-effectiveness and risk [corrected]. Am J Gastroenterol. 2009 Mar;104 Suppl 2:S27-32.
  10. https://wholelifenutrition.net/articles/digestive-health/how-acid-blocking-medications-can-cause-food-allergies

Postagens mais visitadas deste blog

Azia e Refluxo? Saiba tudo sobre betaína HCl (Cloridrato de betaína)

Você já ouviu da betaína HCl? Ela também pode ser chamada de betaína cloridrato, cloridrato de betaína ou hidrocloreto de betaína.
Ela é considerada um suplemento alimentar. Ela tem um papel muito importante para sua digestão, funcionando como um reforço do seu suco gástrico. Se você sofre de azia ou refluxo a betaína cloridrato, em muitos casos, pode ajudá-lo a eliminar a causa do seu problema de forma natural.
Deixe eu te contar rapidamente como descobri a betaína HCl (cloridrato de betaína)
Antigamente, quando eu sofria com azia e refluxo eu logo procurava meu médico que me recomendava medicamentos para reduzir a acidez do estômago como omeprazol. Eu começava a usar o medicamento e sentia um grande alívio. Isto me fazia pensar que o problema era realmente excesso de ácido no estômago.
Mas passado um tempo do tratamento eu comecei a perceber que na verdade o refluxo continuava, só não estava mais me provocando azia. Além disso, com o uso prologado dos "prazóis" comecei a senti…

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA CURA DA AZIA, GASTRITE E REFLUXO

O uso de probióticos pode auxiliar no tratamento de gastrite, azia e refluxo. Neste artigo é feita uma análise detalhada dos benefícios cientificamente comprovados do uso dos probióticos.

Aloe vera no Tratamento de Úlceras, Gastrite e Refluxo

Pesquisa científica feita com 18 pacientes, 12 com úlceras e 6 com problemas relacionados, testou o uso da Aloe Vera (também conhecida como Babosa) sozinha, como forma de tratamento.
Os resultados foram impressionantes!



Dos 12 pacientes com úlceras, 100% tiveram cura clínica, e 11 deles não tiveram recidiva.
Dos 6 pacientes com problemas relacionados 5 tiveram recuperação total e uma desistiu do tratamento.
O tratamento consistiu em...