Azia e Refluxo? Saiba tudo sobre betaína HCl (Cloridrato de betaína) Pular para o conteúdo principal

Azia e Refluxo? Saiba tudo sobre betaína HCl (Cloridrato de betaína)

Você já ouviu da betaína HCl? Ela também pode ser chamada de betaína cloridrato, cloridrato de betaína ou hidrocloreto de betaína.

Ela é considerada um suplemento alimentar. Ela tem um papel muito importante para sua digestão, funcionando como um reforço do seu suco gástrico. Se você sofre de azia ou refluxo a betaína cloridrato, em muitos casos, pode ajudá-lo a eliminar a causa do seu problema de forma natural.

Deixe eu te contar rapidamente como descobri a betaína HCl (cloridrato de betaína)

Antigamente, quando eu sofria com azia e refluxo eu logo procurava meu médico que me recomendava medicamentos para reduzir a acidez do estômago como omeprazol. Eu começava a usar o medicamento e sentia um grande alívio. Isto me fazia pensar que o problema era realmente excesso de ácido no estômago.

Mas passado um tempo do tratamento eu comecei a perceber que na verdade o refluxo continuava, só não estava mais me provocando azia. Além disso, com o uso prologado dos "prazóis" comecei a sentir cansaço no final da tarde, dores nas articulações e outros problemas. Foi então que resolvi ler a bula do medicamento que estava tomando e fiquei espantado com a quantidade de efeitos colaterais descritos. Muitos deles eu eu estava sentindo!!!

Foi aí que resolvi que iria assumir o controle da minha saúde e buscar informações sobre outras formas de tratamento. É impressionante como as descobertas acontecem quando estamos em busca de conhecimento. Descobri, na verdade, que a azia e refluxo ...
não é provocada por excesso de ácido mas por uma abertura da válvula que separa o estômago do esôfago (chamada esfíncter esofagiano inferior).

Mas o que causa a abertura desta válvula que deveria estar fechada depois que fazemos uma refeição? 





Uma das principais causas é: a baixa produção de ácido no estômago!!! Isso mesmo, exatamente o contrário do que sempre acreditei e a solução seria exatamente o oposto do utilizado pelo meu antigo médico.

Descobri que pessoas se curavam aumentado a quantidade de ácido no estômago e isso melhorava não apenas a azia e o refluxo, mas a saúde do corpo em geral, os níveis de energia a digestão e absorção de nutrientes.

Bom, mas eu precisava saber se isso era só teoria ou se funcionava mesmo. Precisava testar isso, não é verdade? Então resolvi comprar um frasco de betaína HCl.

Betaína (trimetilglicina) x Betaína HCl (betaína cloridrato)


A betaína em sua forma pura, é uma substância derivada do aminoácido glicina ligado a três grupos metila. Ela pode ser obtida pelo consumo de alimentos como: frutos do mar, gérmen e farelo de trigo e espinafre. Foi descoberta no século 19, presente no suco da beterraba e seu consumo apresenta benefícios à saúde. 

Mas atenção, a betaína pura, também é comercializada como suplemento alimentar mas é diferente da betaína HCl (betaína cloridrato ou cloridrato de betaína). Existem alguns blogs que cometem um erro e confundem dizendo que a betaína pura seria benéfica 

A betaína pura, também conhecida como betaína anidra, simplesmente betaína ou então ainda como trimetilglicina (devido a sua fórmula química) é utilizada principalmente com as finalidades de:
  • redução dos níveis de homocisteína (um aminácido tóxico, que apresenta riscos para a saúde)
  • auxiliar na síntese de DNA e RNA
  • aumento de massa muscular e ganho de força


Já a betaína HCl (betaína cloridrato) possui uma estrutura química e função diferente. Nesta forma ela costuma ser associada à pepsina em fórmulas que contribuem para:

  • melhorar a digestão e absorção de nutrientes
  • aumentar os níveis de ácido clorídrico no estômago, principal ingrediente do suco gástrico

Ele é indicada para o tratamento da hipocloridria (baixa produção de ácído no estômago) e auxilia nos processos digestivos, principalmente na digestão e absorção de proteínas, minerais e algumas vitaminas. 

A pepsina, que tem como função digerir proteínas, é uma enzima digestiva que se forma a partir do pepsinogênio existente no suco gástrico. No entanto, ela só se forma em meio ácido, por isso o estômago precisa produzir o ácido clorídrico (HCl), que ativa o pepsinogênio e o transforma em pepsina.

A deficiência do HCl no seu estômago contribui para a redução dos níveis de pepsina fazendo com que os alimentos não sejam digeridos corretamente e os sintomas de hipocloridria se desenvolvam.

O cloridrato de betaína é recomendado como suplemento de HCl para pessoas com hipocloridria (baixa produção de HCl).

Veja alguns dos principais sintomas relacionados a hipocloridria: 
  • Azia e Refluxo
  • Arrotos e inchaço
  • Indigestão e prisão de ventre
  • Mau hálito
  • Alergias alimentares
  • Indisposição e cansaço
  • Asma
  • Acne rosácea
  • Pedras na vesícula
  • Descalcificação dos ossos e osteoporose
  • Artrite reumatóide
  • Anemia
Alguns fatores influenciam no desenvolvimento da hipocloridria e acloridria. São eles:
  • Idade
  • Má alimentação e estilo de vida
  • Uso de medicamentos
  • Estresse e Ansiedade

COMO UTILIZAR O CLORIDRATO DE BETAÍNA

A betaína HCl deve ser utilizada preferencialmente em cápsulas, que devem ser ingeridas durante uma refeição. Isso é muito importante, a ingestão não deve ser antes e nem depois da refeição para evitar que o comprimido fique parado  e libere seu conteúdo no esôfago, o que pode causar ferimentos.
O correto é comer um pouco, tomar o comprimido e continuar comendo.

COMO SABER A DOSAGEM IDEAL

Nos EUA as fórmulas são superiores e normalmente o comprimido contém 650mg de betaína HCl mais pepsina (cerca de 150mg). Aqui no Brasil você só vai encontrar em farmácias de manipulação e terá restrições nas quantidades dos ingredientes, além disso o custo ainda é bem maior aqui do que lá fora.

Há poucos médicos no Brasil que receitem ou saibam utilizar a betaína HCl. Alguns destes médicos fizeram curso com o Dr. Lair Ribeiro, que costuma indicar uma dose de 300mg de betaína HCl durante as refeições.

Nos EUA os médicos naturopatas indicam fazer o teste da dosagem da seguinte maneira: para evitar efeitos colaterais deve-se começar ingerindo apenas uma cápsula de betaína HCl (650mg) com pepsina durante o almoço/jantar (após umas 4 a 5 garfadas, tome o comprimido e continue comendo). Se não houver nenhum problema depois de 2 dias aumenta-se a dose para duas cápsulas durante o almoço/jantar, então se continuar sem problemas aumenta-se para três cápsulas. Vai aumentando desta forma até o momento em que após você tomar as cápsulas e sentir um leve calor no estômago, se isto ocorre deve-se tomar um copo de água para amenizar. Se a dose de 5 comprimidos fez você sentir este calor, a sua dose ideal seria de 4 comprimidos. É uma sensação leve de calor, não deve ser uma queimação forte.


O Dr. Jonathan Wright, autor do livro “Why Stomach Acid Is Good for You: Natural Relief from Heartburn, Indigestion, Reflux and GERD” (Porque o Ácido Gástrico é Bom para Você: Alívio Natural para Azia, Indigestão, Refluxo e DRGE) diz que normalmente seus pacientes utilizam de 5 a 7 comprimidos de betaína por refeição.

CUIDADOS ANTES DE TOMAR

Se apresentar gastrite ou úlcera faça o tratamento para gastrite ou úlcera antes de iniciar a reposição de ácido.

Jamais use o suplemento de HCl se estiver fazendo uso de qualquer tipo de anti-inflamatório (diclofenaco, ibuprofeno, aspirina, voltaren etc).

Você deve lembrar que a betaína HCl é apenas uma opção de suplemento para auxiliar no tratamento do refluxo, em que você repõe o ácido que o corpo não está produzindo.

Porém é importante ressaltar que a melhor opção de todas é usar estratégias que vão ajudar o corpo a aumentar sua produção natural de HCl e enzimas digestivas, o que vai lhe assegurar uma ótima digestão sem a necessidade de uso de suplementos. Se você quiser aprender mais sobre estas estratégias assista uma aula on-line grátis, você pode se inscrever clicando aqui. 

EFEITOS COLATERAIS

O uso de betaína HCl não costuma ter efeitos colaterais mais graves. Geralmente são de intensidade moderada e apresenta sintomas como desarranjo intestinal, dor, sensação de queimação, gazes ou sensação de desconforto. Reduzir a dose ou interromper o uso são medidas suficientes para aliviar estes sintomas. No entanto é bom ressaltar que os efeitos colaterais costumam ocorrer com mais frequência nas pessoas com menores níveis de produção de ácido gástrico.



Isto se explica por dois motivos: 
  1. as pessoas com menores níveis de produção de ácido costumam apresentar a chamada gastrite atrófica (a mucosa do estômago muito fina ou atrofiada), o que faz com que fiquem mais vulneráveis à ação do HCl. O uso da Aloe vera (leia o artigo) e dos probióticos (saiba mais) pode auxiliar na recuperação da mucosa.
  2. O outro motivo é que aqueles que produzem menos ácido no estômago sofrem as maiores mudanças na digestão quando se inicia a suplementação. O organismo no início pode estranhar esta mudança o que provoca diarreias e outras reações. É como quando você deixa de comer determinado tipo de alimento por muito tempo e quando volta a comer sofre um desarranjo. Neste caso reduzir a dose e ir aumento aos poucos pode auxiliar na adaptação do organismo.


[AULA GRÁTIS] COMO SE LIVRAR DO REFLUXO EM 28 DIAS DE FORMA 100% NATURAL!

Participe da nossa aula on-line grátis em que eu vou explicar para você outras estratégias para eliminar a gastrite e o refluxo de forma 100% natural.



http://bit.ly/b2AulaAdeusRefluxo




Postagens mais visitadas deste blog

Aloe vera no Tratamento de Úlceras, Gastrite e Refluxo

Pesquisa científica feita com 18 pacientes, 12 com úlceras e 6 com problemas relacionados, testou o uso da Aloe Vera (também conhecida como Babosa) sozinha, como forma de tratamento.
Os resultados foram impressionantes!



Dos 12 pacientes com úlceras, 100% tiveram cura clínica, e 11 deles não tiveram recidiva.
Dos 6 pacientes com problemas relacionados 5 tiveram recuperação total e uma desistiu do tratamento.
O tratamento consistiu em...

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA CURA DA AZIA, GASTRITE E REFLUXO

O uso de probióticos pode auxiliar no tratamento de gastrite, azia e refluxo. Neste artigo é feita uma análise detalhada dos benefícios cientificamente comprovados do uso dos probióticos.