Como tratar a gastrite sem omeprazol Pular para o conteúdo principal

Como tratar a gastrite sem omeprazol

       Já comentei sobre azia e refluxo e o mito do excesso de acidez. Na verdade a maioria das vezes a azia e refluxo é causado por baixa acidez ou falta de acidez no estômago, como já expliquei no vídeo: http://bit.ly/CausadaAziaeRefluxo E sendo baixa produção de ácido a causa, a melhor forma de tratar é aumentando a acidez do estômago.

Mas as pessoas que possuem gastrite mesmo que leve, antes de reforçarem a acidez do seu estômago, devem procurar tratar a gastrite. Como gastrite significa lesões na mucosa do estômago, que protege o tecido da corrosão do suco gástrico, é importante restabelecer a mucosa para não haver danos em seu estômago.
O tratamento para gastrite convencional padrão hoje em dia tem sido o uso de omeprazol + antibióticos para eliminar a bactéria H. Pilory e recuperação da mucosa gástrica. Normalmente de 4 a 8 semanas.

Já comentei sobre os problemas que o uso de omeprazol pode causar à saúde. Além disso o seu uso prolongado pode causar gastrite atrófica. Já falei sobre um pouco sobre isso no meu E-book "5 Erros que Sofre de Azia e Refluxo Comete que Estão Impedindo Você dese Curar". Mas pretendo escrever um artigo mais aprofundado sobre o assunto em breve.

Por isso neste artigo vou ensinar você uma forma para tratar a gastrite sem omeprazol.

Foi publicado um estudo em 2010 comparando a eficácia da Aroeira (Shinus terenbinthifolius Raddi) com omeprazol em pacientes com gastrite e sintomas dispépticos. Vou comentar com você os principais detalhes desta pesquisa.

O estudo foi realizado sendo do tipo randomizado, duplo-cego, comparativo, com 72 pacientes que apresentaram diagnóstico de gastrite, confirmado através de endoscopia digestiva alta e biópsia. Os voluntários foram divididos em 2 grupos sendo tratados com extrato seco da casca de aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi) 233,6mg 2x/dia, durante quatro semanas ou omeprazol 20mg 2x/dia, durante quatro semanas, via oral. Os pacientes fizeram em exame de endoscopia no início e um no final do estudo.

A aroeira é uma planta comum da vegetação do litoral do Nordeste, que é bastante utilizada na medicina popular, tendo o seu primeiro registro em 1926 , na Pharmacopeia Brasileira. Ele é utilizada contra doenças inflamatórias, infecciosas e em processos de cicatrização.
Figura 1. Aroeira

É utilizada na prática médica clínica já reconhecida e recomendada nas vaginoses bacterianas. E é usada de forma empírica no tratamento de gastrites, úlcera péptica e dispepsia.

É uma planta rica em taninos e polifenóis que possuem várias propriedades são responsáveis pelas suas atividades farmacológicas.

 Observou-se que os pacientes que possuíam gastrite crônica responderam mais favoravelmente ao tratamento com aroeira oral do que ao omeprazol. Cerca de 64% dos pacientes que fizeram uso da aroeira que apresentavam "gastrite moderada" apresentaram melhora passando para "gastrite leve/discreta", um resultado 2,3 vezes maior que os tratados com omeprazol.

Cerca de 5% dos pacientes que fizeram uso da aroeira recuperaram 100% das lesões da mucosa, no grupo do omeprazol não foi relatado nenhum caso de cura. Apesar disso, o estudo diz que devido a critérios de relevância estatística não há diferença nos resultados.

Foi verificada ainda uma provável ação anti H. pilory da aroeira (cerca de 17% dos pacientes tratados eliminaram a bactéria contra cerca de 9% do grupo omeprazol). Porém os autores dizem que é necessário estender os estudos para confirmar essa ação anti H. pilory.
http://recompensa.adeusazia.com.br/
Chegaram a conclusão que a aroeira apresentou resultados mais eficazes que o omeprazol na melhora dos sintomas associados à gastrite. Além disso, a aroeira é um fitoterápico que pode ser utilizado por períodos maiores sem apresentar os efeitos colaterais conhecidos do uso do omeprazol.

Meu conselho:

Caso você tenha apresentado quadro de gastrite na sua endoscopia, sugiro que discuta com o seu médico a possibilidade de estar utilizando a aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi 233,6mg 2x/dia) conforme descrito neste estudo. Ele poderá lhe receitar para que você possa comprar numa farmácia de manipulação e fazer o seu tratamento com um medicamento que é natural e mais eficaz do que omeprazol, além de não apresentar os efeitos colaterais associados a este.


Caso queira ver o estudo completo acesse em: http://bit.ly/1BpNP0a



Participe da nossa aula on-line grátis em que eu vou explicar para você outras estratégias para eliminar a gastrite e o refluxo de forma 100% natural.


 





Gostou deste artigo? Curta nossa página do Facebook para receber mais novidades.

Postagens mais visitadas deste blog

Azia e Refluxo? Saiba tudo sobre betaína HCl (Cloridrato de betaína)

Você já ouviu da betaína HCl? Ela também pode ser chamada de betaína cloridrato, cloridrato de betaína ou hidrocloreto de betaína.
Ela é considerada um suplemento alimentar. Ela tem um papel muito importante para sua digestão, funcionando como um reforço do seu suco gástrico. Se você sofre de azia ou refluxo a betaína cloridrato, em muitos casos, pode ajudá-lo a eliminar a causa do seu problema de forma natural.
Deixe eu te contar rapidamente como descobri a betaína HCl (cloridrato de betaína)
Antigamente, quando eu sofria com azia e refluxo eu logo procurava meu médico que me recomendava medicamentos para reduzir a acidez do estômago como omeprazol. Eu começava a usar o medicamento e sentia um grande alívio. Isto me fazia pensar que o problema era realmente excesso de ácido no estômago.
Mas passado um tempo do tratamento eu comecei a perceber que na verdade o refluxo continuava, só não estava mais me provocando azia. Além disso, com o uso prologado dos "prazóis" comecei a senti…

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA CURA DA AZIA, GASTRITE E REFLUXO

O uso de probióticos pode auxiliar no tratamento de gastrite, azia e refluxo. Neste artigo é feita uma análise detalhada dos benefícios cientificamente comprovados do uso dos probióticos.

Aloe vera no Tratamento de Úlceras, Gastrite e Refluxo

Pesquisa científica feita com 18 pacientes, 12 com úlceras e 6 com problemas relacionados, testou o uso da Aloe Vera (também conhecida como Babosa) sozinha, como forma de tratamento.
Os resultados foram impressionantes!



Dos 12 pacientes com úlceras, 100% tiveram cura clínica, e 11 deles não tiveram recidiva.
Dos 6 pacientes com problemas relacionados 5 tiveram recuperação total e uma desistiu do tratamento.
O tratamento consistiu em...